Logística Reversa de medicamentos: estrutura no varejo farmacêutico

Cecilia Juliani Aurelio, Renato Ferreira Pimenta, Helene Mariko Ueno

Resumo


Medicamentos vencidos ou não utilizados oferecem riscos ambientais e à saúde pública quando descartados inadequadamente no lixo comum e no vaso sanitário ou pia. A logística reversa propõe restituir ao setor empresarial resíduos de medicamentos para destinação final ambientalmente segura. Este estudo objetivou descrever a estrutura para logística reversa disponibilizada ao público consumidor em drogarias. Foram pesquisadas quatro drogarias, cada uma pertencente a grandes redes do varejo farmacêutico do Brasil. As drogarias foram investigadas nas esferas: operacional, econômica, institucional e educacional. Verificou-se que ações de logística reversa de medicamentos são praticadas parcialmente, pois nem sempre atingem a totalidade de drogarias das redes. Existe carência de disponibilização de equipamentos para o descarte específico destes resíduos e de informações de educação ambiental para a população. O presente estudo possibilitou a reflexão sobre as potencialidades da logística reversa de medicamentos como contribuinte para a educação ambiental da população e para a preservação ambiental.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15675/gepros.v10i3.1255

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Licença Creative Commons

Está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

e-ISSN: 1984-2430
GEPROS. Gest. prod. oper. sist., Bauru, São Paulo-SP (Brasil).

Departamento de Engenharia de Produção da Faculdade de Engenharia da UNESP - Bauru

Av. Eng. Edmundo Carrijo Coube, n° 14-01 Fone: 55-14-3103-6122