Prova de Conceito e Análise de Desempenho em Protótipo de Sistema para o Tratamento Natural de Efluentes Domésticos

Ramon Baptista Narcizo, Antonisio Prucoli Martins, Rodolfo Cardoso, Iara Tammela, Henrique Siqueira Madeira

Resumo


Esse artigo apresenta a concepção, o processo de desenvolvimento e os resultados operacionais iniciais do projeto de um sistema energeticamente eficiente e de baixo custo para o tratamento natural de efluentes domésticos. O objetivo do projeto era o de desenvolver um sistema para o tratamento, reuso e a reciclagem da água consumida em um típico domicílio brasileiro, que usa os próprios micro-organismos encontrados nos efluentes no processo, sem demanda de aditivos químicos. O sistema é projetado para funcionar com baixo custo operacional, de manutenção e de consumo energético. Como método, foi empregada uma versão simplificada da proposição de Ulrich e Eppinger (2015) para o desenvolvimento de novos produtos, avançando até a fase de testes e refinamentos. Iniciado em 2015, o projeto atualmente já concluiu as primeiras etapas do desenvolvimento, possuindo um protótipo funcional capaz de tratar cerca de quatro mil litros de efluentes por dia, com resultados promissores comprovados por meio de análises laboratoriais. Como resultados, tanto o desempenho individual de cada módulo, assim como também o desempenho global do sistema, são apresentados e discutidos à luz do planejamento e das especificações iniciais. O artigo é concluído argumentando-se que o sistema é promissor, constituindo-se numa efetiva prova de conceito para o projeto.

Palavras-chave


tratamento; efluentes domésticos; baixo custo; projeto do produto; sistema; esgoto

Texto completo:

PDF

Referências


ANTELLO, P. H. G. A situação das políticas de sustentabilidade brasileiras perante as metas de desenvolvimento do milênio da ONU no ano de 2008. Interações (Campo Grande), v. 14, n. especial, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9648: Estudo de concepção de sistemas de esgoto sanitário. Rio de Janeiro, 1986.

BRASIL. Resolução n. º 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n. º 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Diário Oficial da União, 2011.

CHESBROUGH, H. W. The era of open innovation. Managing Innovation and Change, v. 127, n. 3, p. 34-41, 2006.

CLARK, K. B.; FUJIMOTO, T. Product Development Performance: Strategy, Organization, and Management in the World Auto Industry. Boston: Harvard Business School Press, 1991.

FERREIRA, L. C.; VIOLA, E. Incertezas de sustentabilidade na globalização. Campinas: Unicamp, 1996.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Manual de Saneamento. 3 ed. Brasília: FUNASA, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (ed.). Pesquisa nacional de saneamento básico: 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

JOHNSON, S. Emergência: a dinâmica de rede em formigas, cérebros, cidades e softwares. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

JORDÃO, E. P.; PESSÔA, C. A. Tratamento de Esgotos Domésticos. 6 ed. Rio de Janeiro: ABES, 2009.

LEONETI, A. B. PRADO, E. L.; OLIVEIRA, S. V. W. B. Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 2, p. 331-348, 2011.

MANZINI, E. Design para a inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Rio de Janeiro: E-papers, v. 200, 2008.

MCDONOUGH, W.; BRAUNGART, M. Cradle to cradle: remaking the way we make things. 1 ed. New York: North Point Press, 2002.

NOVAES, W. Eco-92: avanços e interrogações. Estudos Avançados, v. 6, n. 15, p. 79–93, ago. 1992.

PUGH, S. Total design: integrated methods for successful product engineering. 1 ed. Harlow: Pearson Education, 1991.

ULRICH, K. T.; EPPINGER, S. D. Product design and development. 6 ed. New York: McGraw-Hill Education, 2015.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 2 ed. Belo Horizonte: SEGRAC, 1998.




DOI: https://doi.org/10.15675/gepros.v14i3.2602

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista GEPROS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

e-ISSN: 1984-2430
GEPROS. Gest. prod. oper. sist., Bauru, São Paulo-SP (Brasil).

Departamento de Engenharia de Produção da Faculdade de Engenharia da UNESP - Bauru

Av. Eng. Edmundo Carrijo Coube, n° 14-01 Fone: 55-14-3103-6122